escolhida a palavra

o dia estava bom para nada

uma morrinha despejada do céu
caía mansamente na cabeça
da cidade

quem tinha deixado o chapéu
em casa nem acelerava o passo
e assobiava
as palavras que já tinha escolhido

ao chegar a casa
só me restava confessar a mim mesmo
que me esquecera
das palavras que tinha escolhido

Deixar uma resposta